// Postado Por: Alysson Borges //: sexta-feira, 8 de maio de 2015










Ah, a primavera... Estação dos inícios, romances e, principalmente, flores de cerejeira desabrochando. Bom, isso no Japão, pelo menos. Falando em novos começos, você já deve ter reparado que recentemente a década de 1990 está tentando arrebatar as suas crianças, pois séries como Sailor Moon, Saint Seiya e Dragon Ball ganharam novas animações. Com o súbito interesse pelo conteúdo nipônico, acaba sendo injusto ficar limitado apenas aos animes que todos conhecem e não apresentar também grandes títulos da atualidade.

Como talvez você já saiba, diferente de seriados, cuja extensão varia bastante, animes são apresentados no formato de temporadas de 12 episódios cada. Conveniente, pois esse espaço de três meses é mais ou menos relacionado com o início das estações do ano; dessa forma, é normal encontrar muitos que começam e terminam nesse período – enquanto apenas os de maior sucesso ganham uma segunda temporada ou mais.

Hoje, são raros os animes com mais de 24 episódios (caso “serem longos demais” fosse um pretexto para você não acompanhar nenhum). Por outro lado, é comum apenas um arco da história ser abrangido e nunca mais ganhar animação; mesmo com grande qualidade e muitas aventuras para contar. Além disso, as animações não estão mais limitadas apenas a originais e baseadas em mangás (gibis japoneses), sendo muitas delas inspiradas em jogos, light novels (livros pequenos) e visual novels (histórias no formato de games, em suma).



Mas chega de introduções e vamos ao que interessa. Aqui está a lista de recomendações para a temporada da primavera de 2015:


Arslan Senki

O reino de Pars viveu durante anos na prosperidade devido ao seu sucesso nas guerras, e comercialização dos seus escravos. O temível rei Andragoras nunca foi derrotado e isso o tornou um governante desinteressado de estratégia e política: a força do seu exército sempre esmagava os inimigos e dispensava frescuras ou conversas. Mas acontece que governar pelo medo faz você ganhar inimigos, e isso nunca é bom.
Em uma batalha fatídica, um general trai o reino e usa uma artimanha que leva o exército invencível a uma derrota absoluta. Com uma Cruzada religiosa fanática nas portas da capital Ectabana e escravos desgostosos do lado de dentro, não há nada que possa impedir o fim de uma era. Eis que entra o príncipe Arslan, filho de Andragoras: gentil e bondoso, ele não compartilha das visões do pai de governo. Por um golpe do destino, ele consegue escapar ileso da derrota anterior e agora está disposto a conseguir aliados para retomar o seu reino.
Se você gosta de aventura e fantasia, além de exércitos em formação combatendo, este anime é para você. Além disso, ele tem os mesmos traços usados em Fullmetal Alchemist e Silver Spoon.


Denpa Kyoushi

Você conhece a sigla “YD”? Provavelmente não, foi inventada pelo anime. “Yearn to Do” é o seu significado, ou seja, “ter vontade de fazer”: é assim que age o otaku protagonista desta série. Isso levou Kagami a largar a sua vida de gênio da Física depois de conseguir o seu PhD ainda na adolescência e publicar um artigo sobre um conceito que a tecnologia atual é incapaz de tornar realidade. Sem vontade de continuar no ramo por falta de desafios, ele passou para uma vida reclusa dentro de casa, criando o maior blog de análises de anime do Japão.
Entretanto, isso não agradou nada à sua irmã mais nova, que o obrigou pela violência a arranjar um emprego de professor. Sem vontade disso, ele acaba dando aulas desmotivadas e desinteressantes até que, eventualmente, se depara com estudantes em apuros e decide usar todo o seu intelecto para ajudá-los – geralmente de maneiras absurdas, revelando muito da sua personalidade preguiçosa no processo.

Uma comédia em todos os aspectos, se você encontrar um momento sério aqui, provavelmente será transformado em piada logo em seguida.


DanMachi

“Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatteiru Darou ka?” é o título inteiro. Sim, vamos ficar com DanMachi mesmo, não é? Traduzido livremente como “Qual é o problema de paquerar garotas na Masmorra?”, o anime é baseado em uma light novel de sucesso, que parece ter diferentes histórias baseadas no mesmo conceito: os deuses onipotentes cansaram da imortalidade no céu, por falta do que fazer, e desceram à Terra para se divertir.
Com isso, eles perderam todos os poderes, exceto as habilidades que já tinham antes; em troca, ganharam a capacidade de transformar pessoas normais em aventureiros, caso entrem para a sua “família”. Isso foi muito conveniente, pois onde os deuses desceram era uma cidade onde apareceu uma “torre das trevas”, a Masmorra, de onde monstros saíam para matar os humanos. Entram os aventureiros em cena: com a habilidade de subir de nível, usar golpes especiais e melhorar seus atributos, eles conseguem derrotar as criaturas por dinheiro.
A história acompanha o aventureiro Bell, que nenhuma família aceitava por ser pequeno e fraco demais. Com a benção da “top waifu do ano”, a deusa Hestia, ele segue a sua missão de se tornar forte para... Conhecer garotas na Masmorra e dormir com elas (a premiação por salvar a donzela em perigo, segundo essa lógica).
Com elementos de jogos de RPGs, além de muita aventura e comédia, DanMachi lembra animes como Sword Art Online e Log Horizon – com a diferença de ser bem menos sério.


Ghost in the Shell Arise: Alternative Architecture

Ghost in the Shell, ou “Koukaku Kidoutai”, está fazendo 25 anos e traz a série de volta às telas. Em um futuro no qual os seres humanos conseguem transplantar partes do corpo por cópias cibernéticas e transferir via upload as próprias mentes, uma perigosa onda de ataques de “hackers mentais” começa a implementar memórias falsas nas pessoas e fazê-las realizar algumas matanças.  O que, convenhamos, é bem inconveniente.
Com um tom sério constante e apenas alguns momentos de alívio cômico, Ghost in the Shell é uma adição bem-vinda às temporadas dos últimos tempos, de maneira geral, para fugir um pouco da rotina da sala de aula, onde os eventos mais sobrenaturais e incríveis possíveis estão sempre – de alguma forma – relacionados à vida estudantil e adolescentes “escolhidos”.


Hibike! Euphonium

O anime de música desta temporada vem com a difícil tarefa de existir por conta própria, principalmente por ter sido antecedido pelo soberbo “Your Lie in April” (Shigatsu wa Kimi no Uso). Porém, com muito moe, diversas “esposas” para escolher e uma ótima trilha sonora, a tarefa fica um pouco mais fácil. A história em si é simples: a protagonista Kumiko vai para o Ensino Médio e quer “um novo começo”, largando a banda da escola. Porém, ela se vê puxada para o grupo por conta das novas colegas e, de novo, acaba usando o mesmo instrumento.
Um exemplo de bom “slice of life”, mostrando a vida cotidiana dos membros da banda e seus ensaios, há também alguma evolução na protagonista logo nos primeiros episódios. Enquanto não promete uma montanha-russa de emoções como “Kimi Uso”, certamente é bem “bonitinho” e agradável devido à parte musical.


Kekkai Sensen

A vida era normal no mundo, até uma bolha misteriosa e impenetrável envolver Nova York e interligá-la a mundos sobrenaturais paralelos; então, ficou louca. Monstros lendários, alienígenas e diversos outros tipos de criaturas ao estilo de Space Dandy começaram a viver normalmente com os seres humanos, como se nada houvesse acontecido. Alguns humanos conseguiram superpoderes, entretanto, e formaram uma sociedade secreta para proteger a população normal das ameaças causadas pelos monstros malucos.
Com uma comédia inteligente, mas frequentemente escrachada, Kekkai Sensen é um anime divertido que apresenta uma boa dose de cenas de luta e algum desenvolvimento de personagem. Sobre o protagonista, ele acaba caindo de paraquedas na história, convenientemente tendo um dos poderes mais desejados do submundo, mas, ao mesmo tempo, quase não tendo utilidade prática para os seus olhos especiais.




Plastic Memories

Imagine um mundo em que robôs são produzidos de maneira fiel ao ser humano, sendo basicamente androides, com a diferença de terem “vida útil” de suas funções mentais de sanidade (ainda que seus corpos sejam “imortais”). Para evitar problemas quando esse prazo acaba, uma equipe da SAI Corporation é encarregada de convencer os donos dos Giftia a entregar os robôs para reciclagem; uma tarefa difícil, pois a ligação emocional com eles é muito forte, já que são praticamente humanos em todos os aspectos.
Nesse contexto, Tsukasa, filho do dono dessa empresa, não passa em nenhum vestibular e é forçado pelo pai a trabalhar nesse setor problemático. Para não ser deserdado, ele vai, mas acaba se apaixonando pela sua parceira atrapalhada, a Giftia Isla. Qual o gancho da história? Desde o início você sabe que ela tem apenas 2 mil horas de vida, enquanto o protagonista não. Como a história deles vai se desenrolar? Uma nova tecnologia vai salvar o dia ou Tsukasa vai precisar aprender a lidar com a dor da perda, assim como os seus clientes?
Apesar da proposta que vagamente lembra Ghost in the Shell, Plastic Memories é uma comédia romântica bastante leve e divertida; que promete grandes momentos de choro nos momentos finais para quem é propenso a isso.


Shokugeki no Souma

Somando pratos de comida exibidos de maneiras luxuriosas, “batalhas” e cenas levemente ecchi, Shokugeki no Souma acaba abordando essa temática de maneira diferente do famoso Toriko, sendo talvez ainda mais interessante. O protagonista, Souma, é filho do cozinheiro de um restaurante simples, de bairro, e sempre ajudou o pai solteiro a preparar os pratos dos clientes – ignorante do fato de ele ser um Chef renomado, reconhecido pelo mundo inteiro.
Quando chega a hora de ir para o Ensino Médio, Souma decide largar os estudos para se focar em assumir o restaurante e derrotar o seu pai em competições de “quem faz o melhor prato” (que ele sempre perde). Contudo, seus planos vão por água abaixo quando, do dia para a noite, seu pai fecha o restaurante e vai viajar o mundo cozinhando por três anos, tempo de Souma fazer seus estudos em um colégio gastronômico – com um sistema de estudos absurdo como em Kill la Kill.
Ao chegar ao lugar, Souma mostra habilidade de nível superior aos estudantes mais simplórios, mas apenas suficientes para competir com os melhores da escola. Daí entra uma regra especial: para conseguir algo dos outros, é preciso desafiá-los a confrontos culinários, com juízes, torcida organizada e tudo mais. Com um tom sério, as “batalhas” são abordadas de maneira interessante, mas sempre são amenizadas pelo humor constante da história.


Continuações

A lista acima apresenta apenas as estreias da temporada, deixando de lado as continuações de animes que começaram anteriormente por questões limitação de espaço. Contudo, não podemos deixar de, pelo menos, mencionar os títulos que certamente estariam na lista, caso contrário:
  • Ansatsu Kyoushitsu (Assassination Classroom);
  • Baby Steps 2;
  • Diamond no Ace: Second Season;
  • Fate/stay night: Unlimited Blade Works 2nd Season;
  • Gintama°;
  • Grisaia no Rakuen;
  • Kuroko no Basket 3;
  • Nisekoi:;
  • Saint Seiya: Soul of Gold;
  • Sidonia no Kishi: Daikyuu Wakusei Seneki;
  • Yahari Ore no Seishun Love Comedy wa Machigatteiru. Zoku (OreGairu, em abreviação).

Das séries acima, é preciso notar que Assassination Classroom apresenta grandes chances de se tornar “infinito”, pois o seu mangá faz tanto sucesso que frequentemente supera One Piece em popularidade, por exemplo. Além disso, Gintama volta na terceira temporada depois de ter sido “encerrado” sem receber um final propriamente dito, o que deixou os fãs desgostosos. Baby Steps e Diamond no Ace são animes de esporte, ótimo para quem gostava de Slam Dunk, por exemplo, o que também é o caso de Kuroko no Basket.
Os maiores destaques ficam para Fate/stay night: Unlimited Blade Works, Grisaia no Rakuen e Sidonia no Kishi: Daikyuu Wakusei Seneki, pois representam não apenas os animes de melhor qualidade visual da temporada, como também aqueles de histórias mais interessantes no momento. Nisekoi: e OreGairu Zoku finalmente voltam, depois de pararem em momentos pouco propícios da história. Por fim, Soul of Gold não está nos destaques por falta de episódios para analisar, visto ser quinzenal.

Menções honrosas

Como você já deve ter percebido, ainda que tendo os seus parâmetros técnicos, esta lista continua fortemente baseada nos gostos do autor. De fato, houve uma pesquisa com outros apreciadores de anime via Facebook para decidir pelo conteúdo, mas sempre há aqueles que deixam a desejar em alguns aspectos e alguém gosta mesmo assim. Abaixo, você encontra alguns animes que, até agora, foram apenas “mais ou menos”: são divertidos, mas não são absolutamente sensacionais.
  • Etotama;
  • Gunslinger Stratos: The Animation;
  • Kyoukai no Rinne;
  • Nagato Yuki-chan no Shoushitsu;
  • Owari no Seraph;
  • Punch Line;
  • Re-Kan!;
  • Yamadakun to Nananin no Majo;
  • Triage X.

Enquanto a história dos animes na lista acima são interessantes em muitos pontos, elas ainda não tiveram tempo suficiente de se desenvolver, uma vez que ainda só se passou um terço da temporada. Triage X seria uma exceção, mas foi “rebaixado” para a lista de menções porque, embora a ideia seja interessante, apela com todas as suas forças ao fan-service, usando um time de mulheres assassinas extremamente voluptuosas para fazer o “serviço” para os fãs.
Para encerrar, vale a pena deixar claro que alguns títulos não foram mencionados por serem pouco divulgados e de difícil acesso, ou simplesmente por serem “curtas”, em que os episódios possuem menos de cinco minutos cada. Além disso, vale lembrar que boa parte dos animes acima estão disponíveis em serviços de streaming online como Crunchyroll e Daisuki – frisando que é interessante apoiar esse tipo de serviço, pois eles dão dinheiro para os estúdios que produzem as animações, afinal de contas.

Fonte: http://www.tecmundo.com.br/anime/79473-recomendacoes-anime-temporada-primavera-2015.htm

Deixe Um Comentario.

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments